BRASIL

Vacinação: 93,5 milhões estão totalmente imunizados; 147,4 milhões tomaram a 1ª dose

Conforme o levantamento do consórcio de veículos de imprensa, até às 20h deste domingo (3),  43,86% da população do país já está imunizada.

Mais de 93,5 milhões de brasileiros tomaram as doses necessárias contra a Covid e estão totalmente imunizados. No total, foram aplicadas 93.558.913 doses (segunda dose ou dose única).

Considerando que 147.457.100 pessoas tomaram a primeira dose e estão parcialmente imunizados, isso equivale a 69,13% da população.

Ao mesmo tempo, a dose de reforço foi aplicada em 1.057.700 pessoas, o que equivale a 0,5% da população.

Somando a primeira dose, a segunda, a única e a de reforço, são 242.073.713 doses aplicadas desde o começo da vacinação.

SÃO PAULO

São Paulo vacinou mais de 80% da população 

O Vacinômetro, que considera os dados divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde, registra que na manhã deste domingo (3), a imunização na capital chegou a 80,9% da população adulta. São computadas as pessoas que já estão com o esquema vacinal completo (duas doses ou dose única).

No faixa etária de 12 a 17 anos, a cidade atingiu 97,4% da cobertura vacinal ao menos com a primeira dose.

Após o mutirão de sábado, a cidade de São Paulo ultrapassou a marca de 18 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 aplicadas. Foram 10.375.365 primeiras doses, 7.143.817 segundas doses, 324.277 doses únicas e 175.063 doses adicionais, totalizando 18.018.522 doses.

MUNDO

Medicamento experimental Molnupiravir diminui pela metade chance de hospitalização e é ministrado por via oral

 A nova “pílula contra Covid”, produzida pelo grupo farmacêutico MSD, reduziu em cerca de 50% a chance de hospitalização ou morte para pacientes em risco de desenvolver formas graves da doença. Esta foi a conclusão de estudos  preliminares divulgados na última sexta-feira (1º).

Especialistas avaliam que os dados indicam um grande potencial de avanço na luta contra o coronavírus.

Caso seja aprovado pelas autoridades sanitárias, o Molnupiravir, que introduz “erros” no código genético do vírus, será o primeiro medicamento antiviral oral para combater a Covid-19.

A MSD planeja buscar autorização para uso de emergência da pílula nos Estados Unidos o mais depressa possível. A empresa também vai submeter pedidos de licença às autoridades regulatórias de outros países.

Compartilhar.